segunda-feira, 12 de abril de 2010

Tarde quente Ribatejana

Tarde quente Ribatejana

Ele tilinta, tilinta
Procuro e não encontro
Remexo, remexo e do saco tudo tiro
Onde está o maldito?
….e… ele tilinta, tilinta
Já não lembro onde o meti
….e… ele tilinta, tilinta
Caiu no chão, que lá, não o fazia
E o tilintar acabou!
Quem chamou? Quem era?
Porque toca com tom musical?
Porque outro não tem?
O desentendido acompanha o esquecido
O mouco sem ajuda interioriza o sentir
Só, acompanhada, sem nada poder dizer
A poeira se levanta do chão revolvido
Os campos arados que ficam para trás
Olho o Sol brilhante e quente que diz:
- Bem vinda Primavera!

Maria Gaspar
12 Abril 2010

5 comentários:

Milai disse...

E como a gente já estava precisada dela!
Infelizmente parece que foi Sol de pouca dura...eheheheh
Por aqui hoje esteve um frio...brrrrrr
Beijinhos

Flor disse...

E tilinta, tilinta??? O teu telele faz isso?? ou é alguma cabrinha que estava por ali???

Bj.

BrancaLisboa disse...

Ó prima... era mesmo o telelé. Nem queiras saber o que me chatiaram por eu não o encontrar... enfim, o Sol estava tão brilhante que era melhor admirar a paisagem.... enfim já passou.
Bj

BrancaLisboa disse...

Milai,
Foi de pouca dura este Solinho de Primavera, fiquemos na esperança que ele volte, que defacto, já se sente a falta dele e de um calorzinho mais. Com tão pouco tempo de Sol que tivemos, já se notam as plantas a crescerem e a fazerem-se à vida.
A Natureza é linda vamos admirá-la.
Meu abraço

TERE disse...

Beijos poéticos