sábado, 28 de novembro de 2009

Confusão....

Esquecer, alienar-me ou tentar não preocupar
Olhar no vazio e pouco vislumbrar
Nevoa que paira e a indecisão que permanece...
Calada sem comentar andando sem parar
Com pegadas marcando nos dias que passam sem marcas deixar.
Um pé na frente do outro, andando assim até caminhos completar.
Confusão, preocupação, precaução ou será apenas sujestão?
Coração apertado, que seguro entre as mãos, que estremessem inseguras.
Deitar, dormir, sonhar, esquecer e tentar acordar sem nada recordar.

Boa noite e sejam felizes,

Clementina Gaspar/28/11/2009

4 comentários:

TERE disse...

Parabéns poeta!!!
Bjs e votos de bom domingo

Ana Rita Gomes disse...

Então amiga? Noto uma certa tristeza no teu poema... Toca a arrebitar que a vida são dois dias e há que aproveitá-la! Beijinhos e bom domingo!

Flor disse...

Branquinha!!!!! Nunca pensei que a minha querida também era poeta!!!
Foi o tempo que fez ontem não foi????? Bruma, neblina, nevoeiro o que seja, faz de uma pessoa normal virar poeta pois a solidão a isso obriga, divagar, pensar, sonhar e amar... amar muito!!!

Beijinhos!!
Flor

BrancaLisboa disse...

Eu não sou poeta.
Foram apenas umas palavras que saíram num momento em que um nó se me dava no meu peito.
Obrigada a todos pelo vosso carinho.
Clementina